Hoje em dia, o grande problema da maioria dos empreendedores, é sem dúvida, a ausência de capitais próprios para concretizarem as suas ideias de negócio, e materializarem as mesmas em empresas de sucesso.

QUAIS AS ALTERNATIVAS VIÁVEIS EXISTENTES?

Em primeiro lugar, seja qual for a fonte de financiamento escolhida, é fundamental que, o empreendedor apresente um compromisso com o negócio que pretende criar, quer seja através da sua dedicação exclusiva ao mesmo, quer na constituição de uma equipa de trabalho motivada e credível, assumindo assim, a responsabilidade pelo desempenho e performance da mesma, quer mesmo, pela alocação de capitais próprios na medida certa, que embora sendo importante poderá não se revelar obrigatória.

Em segundo lugar, outro aspecto indispensável e não menos importante, será a elaboraçãode um plano de negócios completo, e respectivo estudo de viabilidade económico-financeiro. Nesta matéria, recomenda-se ao empreendedor, que procure o apoio de um especialista, contudo deverá envolver-se o mais possível, na elaboração do seu projecto deinvestimento, participando e acrescentando valor, com base nos seus conhecimentos técnicos e experiências vividas no sector em questão, questionando e colocando dúvidas, sempre que as mesmas se imponham.

Lembre-se que, no futuro, a responsabilidade do seu negócio será sua, e não do consultor que possa vir a desenvolver o seu projecto de investimento, como tal empenhe-se, participe e envolva-se o mais possível!

A próxima etapa, será estudar a fonte de financiamento mais adequada, para criar a sua empresa, apresentar a sua ideia de negócio, e submeter o seu projecto para apreciação por parte da entidade escolhida.

Neste campo, poderá considerar diversas alternativas viáveis, que deverão ser adequadas a cada situação em particular:

  • Financiamento integral com capitais próprios;
  • Financiamento integral com capitais alheios provenientes de um sócios-investidor;
  • Financiamento através de um Business Angel ou Associações de BA;
  • Financiamento através de sociedades de capital de risco;
  • Financiamento bancário tradicional de curto, médio e longo prazo;
  • Financiamento através de leasing operacional e financeiro;
  • Financiamento através de microcrédito;
  • Incentivos à criação do próprio emprego via IEFP – Instituo de Emprego e Formação Profissional;
  • Incentivos financeiros governamentais através de quadros comunitários;
  • Concursos e prémios relacionados com empreendedorismo;
  • Financiamento através de incubadoras de start-ups e programas universitários;
  • Financiamento através de agentes que operam na economia social;

Com os melhores cumprimentos,

João Pedro Tomásia Barroca

Economista | Consultor Estratégico e Financeiro

Membro da Ordem dos Economistas – CP Nº 15107

Fontes de Financiamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *